Eterna

Eterna

(part. R10, MC Hariel, MC Lele JP e Massaru)

Eterna

É a Tropa do Bruxo, então deixa
Que os moleque joga na gaveta
O menor é faixa, respeita
Nem precisou de peneira
Grave bate forte na corneta
DJ Sam no beat é treta
Mano Mascka foi a referência
Convocou e eu vim com a letra
Tô um tempo aqui, zé, nunca te vi
Então respeita nós
Se a bola tá no chão, é fogo
Matador não brinca em jogo
Tipo Fênix
Renasci, hoje eu sou a voz
Inspirei os menor lá do gueto
Ser preto nunca foi defeito

[Verso 1: Massaru]
Dibrando a dificuldadе
Mãe do R10, ela deixou saudadе
Quando é decisão, Deus não dá empate
Tudo tem um porquê, filho, ela disse
E no meu peito a sua falta bate
Mais que a zaga que bloqueia o impasse
A senhora ensinou que independente
Das barreiras, é só olho no lance
E nossa hora de entrar em campo
Fé na mãe, que esteja nos olhando
Jogador raro não esquenta banco
Meu melhor prêmio foi ver seu sorriso
Mãe, ‘cê foi morar lá no paraíso
Orla dos grandes é o seu lugar
Daí de cima você pode ver
De camarote seu filho jogar

[Verso 2: MC Hariel]
Eu não consigo compreender
Tá difícil de aceitar
Que a vida me levou você
Mas a morte é um mar de veneno
Não manda recado e leva sem avisar
Camisa dez é dona Miguelina
Perita em dibrar todas dificuldade
Jogando sem pai nesse jogo da vida
Ela era a goleira, a zagueira e o ataque
Você sim foi a melhor que eu já vi
E por isso que a bola de ouro é sua
E esse estádio inteiro vai te aplaudir
Olha teu filho, eles chama de Bruxo
Mas se eu tivesse o poder da magia
Nada de mal te aconteceria
Do meu lado ‘cê ainda estaria
Meu amor por ti nem se avalia
Na minha mente sempre estará viva
Você é eterna no meu coração
Por isso pra você não existe partida

[Refrão: MC Lele JP]
É a Tropa do Bruxo, então deixa
Que os moleque joga na gaveta
O menor é faixa, respeita
Nem precisou de peneira
Grave bate forte na corneta
DJ Sam no beat é treta
Mano Mascka foi a referência
Convocou e eu vim com a letra
Tô um tempo aqui, zé, nunca te vi
Então respeita nós
Se a bola tá no chão, é fogo
Matador não brinca em jogo
Tipo Fênix
Renasci, hoje eu sou a voz
Inspirei os menor lá do gueto
Ser preto nunca foi defeito

[Saída: MC Hariel]
Um adeus é a metade da morte
É uma despedida que dói
Uma incerteza de um reencontro
É uma saudade permanente
Uma lembrança que marca pro resto da vida
Mas eu também penso que ninguém morre
As pessoas só despertam pro chão da vida
E é a lei
Umas vêm, outras vão
Vai com Deus, dona Miguelina
Só resta a nós que ficamos aqui homenagear seu legado
Vamo’ que vamo’

Comentários